sexta-feira, setembro 08, 2006

os cold war kids teem tudo


depois terem convencido uma jornalista da rolling stone a fazer umas linhas sobre uma das suas prestacoes ao vivo nas paginas finais da corrente edicao (e possivel de ver com os vossos proprios olhos algures na internet, por exemplo, aqui, ali, e nao sei mais onde); esta, a tal jornalista, convenceu-me por sua vez a mim. a partir dai, desde o primeiro instante, foi mesmo a eles, aos cold war kids, que eu me rendi.

os cold war kids teem tudo para serem muito famosos mesmo. passo a explicar:
1) sao da california, wow grande cena, mas a serio, parece-me ser mesmo algo importante. como e obvio, o meio condiciona. existem muito mais oportunidades na california, desde ser possivel qualquer vadio viver bem fazendo uma merda qualquer em part-time, como por outro lado, onde quer que se va, existe sempre um elam que atrai os restantes mortais. aposto que o tempo e as mulheres tambem ajudam em muito.
2) contam com um vocalista ian browniano de cabelo a playmobil e totalmente rock’n’roll, que se abanana, tocando com pandeiretas, maraquinhas, e garrafas vazias na bateria, enquanto grita veemente e com acerbo. na minha opiniao, ele faz a banda. isto nao e totalmente verdade: todos os restantes tambem estao bem.
3) o pitchfork odeia. sobre o vocalista, escreveu aqui “frontman nathan willett needs to realize he can't be every singer he idolizes at once, because no matter how good the rest of the band sounds, his pompous delivery makes every song sound like a jeff buckley cover band playing a wedding while drunk”. para muitos, inimigos do pitchfork sao seus amigos, e consequentemente, isto e apenas boa publicidade. para alem disso, aposto que se vao acabar por render e la dar mais de 8.0 (nem que seja com uns telefonemazinhos) para os colocar na malfadada lista dos pitchfork favs.
4) musicalmente sao espetaculares. teem tudo. laivos de psicadelismo® com pianinhos atonais aqui e ali, riffs de guitarra longos e repetitivos, linhas de baixos fortes e intensas, baterias com quiquo® que fazem balancar, tudo ligado pela voz, indescritivelmente poderosa e geralmente sempre em sforzando, e pelas letras, interessantes e inteligentes (por exemplo, a historia do pedido de desculpas do senhor alcoolico e esta aqui em baixo sobre a namorada a falar com a mae).
5) ainda so teem 3 eps, dois deles lancados simultaneamente na ocasiao do sxsw, onde todo o rebolico comecou. todos teem musicas repetidas, mas eu nao sou capaz de os parar de ouvir e nao sei mesmo qual o melhor. ate muito recentemente, nao estavam assinados. tambem me parece que originaram uma luta de editoras, o que para meu gaudio, e apenas uma oportunidade de fuck-the-establishment muito bem aproveitada.
6) por ultimo, teem boa onda. ja vi de tudo, desde improvisacoes no piano nao se sabe bem aonde ate jam sessions com tamborzinhos portateis em parques. ta tudo no youtube.

o disco robbers & cowards sai a 10 de outubro. aqui fica um teleclip®. procurem mais, recomendo vivamente.

2 adendas

Anonymous astropastor disse...

Já tinha ficado com estes tipos debaixo de olho há uns meses atrás. São boas noticias as que trazes...

12/9/06 4:45 da tarde  
Blogger bicho_de_conta disse...

O disco não é perfeito mas eu estou viciada : )

A pitchfork lá deu um cincozito, parece-me...

16/2/07 5:00 da manhã