segunda-feira, abril 23, 2007

uma segunda feira igual a tantas outras

a resolver problemas triviais, sem qualquer contributo para o desenvolvimento da ciencia, pelo menos meu. por outro lado, ouviu-se muita musica:



andrew bird, armchair apocrypha, muito colado ao rufus wainwright e na senda do anterior (o unico que conhecia). umas quantas boas musicas, em especial a #4 heretics
voxtrot, voxtrot, diz-se por ai que os eps sao melhores mas acho que o disco ate esta bom. claro que nao e uma obra prima, portanto o melhor e ter baixas expectativas a priori
apostle of hustle, the national anthem of nowhere, desconhecia estes, e com este disco a primeira impressao nao e assim muito auspiciosa. nao percebo o disco, ora em ingles ora em castelhano, nao e assim nada por ai alem. ate chega a ser aborrecido, repetitivo e muito pouco original
va, lee scratch perry: the upsetter selection, bastante apropriado para o intervalo para a hora de almoco e o percurso de carro ate ao restaurante. na volta ao trabalho, passei para a frente
state bird, marching thru the wilderness, album que agora reparo que esta incompleto. disco razoavel, de estreia e editado no ano passado, de uma banda da qual nao sei nada. um par de boas cancoes
mahogany, connectivity!, disco que ja aqui esta ha bastante tempo e o qual ja teve diversas audicoes. bastante interessante, com uma sonoridade relativamente original
the ponys, turn the lights out, estou mesmo a gostar bastante
american watercolor movement, it takes fifteen to tango in my book..., ao principio, pareceu-me estranho, atonal e insuportavel, mas agora como que se entranhou. tambem anda aqui ha bastante tempo e tambem ja conta com muitas audicoes

4 adendas

Blogger bicho_de_conta disse...

Permite-me discordar em relação ao Andrew Bird : )

É verdade que, sobretudo pela voz, podemos comparar estes dois últimos discos ao Rufus Wainwright e também ao Jeff Buckley, Mark Kozelek... tudo gente boa, portanto.

Mas musicalmente o Andrew Bird tem uma linguagem muito própria e uma elegância, uma "arquitectura" sonora que me faz pensar noutros nomes bastante diferentes, como o Joe Henry (compositor e produtor, cujos últimos discos pendem para o jazzy).

A princípio tb era a Herectics que me chamava mais a atenção, mas agora adoro quase todas as músicas do Armchair Apocrypha. Plasticities e Scynthian Empire, por exemplo, são lindíssimas : )

Boas audições!

26/4/07 5:53 da manhã  
Blogger Zito disse...

a principio até achei piada ao andrew bird, mas com o tempo perdi a paciência ... comparações com Jeff Buckley e Mark Kozelek parecem despropositadas ....

26/4/07 12:15 da tarde  
Blogger bicho_de_conta disse...

Essas comparações eram a nível de voz, e pouco mais.

Pelo contrário, acho que com o tempo se passa a gostar mais de um disco como o Armchair Apocrypha.

Seja como for, estou ansiosa pelo concerto de Maio ; )

27/4/07 9:44 da manhã  
Anonymous MJFM disse...

Sim, a nível de voz Andrew Bird tem momentos em que se aproxima de jeff buckley.... Ao fim de algumas audições apaixonei-me por Armchair Apocrypha.... Admiro muito o Andrew Bird, leram a entrevista que ele deu pó ipsilon (público)?

Abraços

29/4/07 8:29 da manhã