terça-feira, outubro 31, 2006

swan lake = wolf parade + destroyer + frog eyes


a) sempre torci o nariz aos chamados super-grupos. desde aquele videodisco® de um concerto dos wings (do paul mccartney), aos temple of the dog (o mega-grupo com todos os super herois do grunge dos anos 90), os band aids do bob geldof ou os pirilampos magicos da cercis, sempre achei que estes pow wows apenas servem para gerar receitas comerciais (quer com fins altruisticos ou nao) usando o prestigio e capacidade de mobilizacao dos seus membros e ficando sempre o objectivo musical/artistico relegado para segundo lugar.
b) tambem acho que os super-grupos sao uma moda em alta nos anos 2000, pelo menos a julgar pelo infidavel numero que teem acontecido. ora bem, a perfect circle, audioslave, zwan, velvet revolver, fantomas, racounters ou maduros, todos partilham uma coisa: os seus membros sao musicos em baixa, talvez a precisarem de dinheiro e que neste momento apenas fazem gestao de carreira. do ponto de vista do consumidor, o resultado, geralmente, nao e nada auspicioso.
c) existem estilos mais dados a este tipo de colaboracoes. certos jazzes (e.g. o miles davis e seus quintetos + milhentas colaboracoes + weather report) e certos generos na franja da novidade: aquelas comunidades de free-improv onde todos os musicos vivem a la reality show patrocinado pelos ministerios da cultura de governos de paises desenvolvidos e que a wire reporta a taxa de uma por mes; ou aquelas electroniquisses cujos artistas ficam tao contentes por partilharem semelhancas que quando se conhecem a ideia para um disco a dois surge logo a primeira conversa. nestes casos, devido ao baixo relevo dos seus membros, distingo o que acontece aqui como sendo uma chamada colaboracao e nao um supergrupo
d) por ultimo, existem musicos que, por definicao, sao a colaboracao. um exemplo e daniel bejar, o elo de ligacao entre todos os discos dos destroyer e guitarrista e vocalista do super-grupo the new pornographers. agora, daniel bejar juntamente com outro puro exemplo de colaboracao, spencer krug (mentor dos wolf parade e do tambem super-grupo sunset rubdown) e carey mercer (frog eyes) criam ainda outro super-grupo, os swan lake.
e) a primeira audicao, parece uma alternancia entre temas a la destroyer e wolf parade/sunset rubdown. e totalmente compreensivel, a voz do destroyer e extremamente caracteristica, a do wolf parade igualmente, e frog eyes conheco mal. aqui todos cantam, a #3 city calls e o exemplo perfeito. a entrada da voz do destroyer aos 1:47 e aos 3:17 e depois para o final e extraordinaria - beast moans prosegue num desfile infindavel de momentos como este.
f) o disco e um disco dificil onde o resultado e claramente mais do que a soma das partes. devido a complexidade melodica (arpejos de sintetizador, cacetadas em guitarras acusticas, e imensos la-la-las a tres vozes) requer um estado de espirito particular. porque existe uma componente dramatica (tambores sem tempo, laivos de psicadelismo® e refroes desenfreados que mudam a estrutura), nao e um disco pop per se. mas, depois de algumas audicoes, da ora tanto para bater o pezinho, abalar o corpo ou trautear certos tra-la-las. aqui estao tres temas:
#3 city calls (optima e disponivel aqui)
#5 all fires (felizmente, uma das melhores)
#7 the freedom (comeca mais destroyer mas depois muda)

3 adendas

Blogger filipa disse...

ainda ontem vi isto e farto-me sempre de rir.
deste "super grupo" nao podes tu dizer mal, toma la:

http://www.youtube.com/watch?v=YCKzAn0612o

:PPPP

1/11/06 1:35 da tarde  
Blogger Kraak/Peixinho disse...

Parece-me interessante. Se há Wolf Parade + Sunset Rubdown pelo meio de certeza que me vai agradar. Não sabia da existência deste Swan Lake. :)

7/11/06 11:56 da manhã  
Blogger ana disse...

É um disco um bocado dificil mesmo, mas que gosto bastante. O primeiro tema que ouvi do disco e meu favorito é "A venue called rubella", os que indicas vêm logo a seguir...

21/11/06 6:00 da tarde